Carteira deve atingir R$ 125,6 bilhões em 2014, um crescimento de 15% sobre o ano passado

Rio – A despeito da atividade econômica mais fraca e do elevado endividamento das famílias, a carteira de crédito imobiliário no Brasil deve atingir R$ 125,6 bilhões em 2014, um crescimento de 15% sobre o ano passado, prevê a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

A inflação “sob controle”, a baixa taxa de desemprego, os ganhos reais na renda e o fomento do crédito por parte dos bancos sustentarão esse avanço, segundo o presidente da Abecip, Octavio de Lazari Junior.

“A participação do crédito imobiliário no endividamento das famílias cresceu. Tirando isso, na verdade, o endividamento diminuiu nos últimos dez anos”, justificou Lazari Junior.

Segundo ele, diante deste cenário, há um grande mercado potencial entre famílias que ainda pagam aluguel – que não é contabilizado como dívida bancária e não integra as estatísticas.

Além disso, o baixo crescimento do País nos últimos anos e a expectativa de que o avanço da economia continuará tímido em 2014 não atrapalham o desenvolvimento da carteira de crédito para a compra de imóveis.

Segundo ele, os financiamentos dependem muito mais da renda, do emprego e da inflação.
“Independentemente de qual governo que assuma (após as eleições), os pilares básicos para que o crédito imobiliário possa continuar crescendo são mantidos. O que não pode acontecer no Brasil é começar a ter inflação na casa de 40% de novo, ter subida exacerbada de juros e o desemprego crescer no País”, disse. Mesmo que haja o esperado ajuste no ano que vem, ele afirma que o cenário de avanço do crédito imobiliário prevalece.

Bolha
Diante da baixa inadimplência e do rigor do Banco Central com as regras de financiamento, Lazari Junior ainda refuta a ideia de que há uma bolha imobiliária se formando no País.

“Nos últimos anos, descontada a inflação, os preços dos imóveis, exceto regiões que são ‘ilhas de prosperidade’, cresceram 2% ao ano, o que é absolutamente normal. É menos do que (o rendimento da) poupança, inclusive”, disse o presidente da instituição.
Regiões como Leblon e Copacabana, no Rio, e a Avenida Brigadeiro Faria Lima, em São Paulo, que têm chamado a atenção pelo valor exorbitante dos imóveis, estariam entre as “ilhas de prosperidade”, onde os preços sobem devido à restrição de oferta.
“Esses lugares não servem como referência.”

No geral, a valorização dos imóveis foi fruto de um “realinhamento” do setor, após anos de demanda tímida e preços estagnados.
Diante do crescimento da renda nos últimos anos, da redução do desemprego e do aumento da oferta de crédito, muitas famílias deixaram o aluguel. A crescente demanda por imóveis, por sua vez, inflou os preços.
“A bolha é valorização dos ativos baseada na expectativa de que o imóvel se valorize ainda mais. Isso não está acontecendo no Brasil.

O brasileiro compra imóvel para morar”, disse Lazari Junior.
Sem minimizar a necessidade de cautela na expansão do crédito imobiliário, o presidente da Abecip citou premissas como valor elevado de entrada (em média 35%), baixo comprometimento da renda das famílias com as parcelas (entre 20% e 22%) e baixa inadimplência (1,9%, menor do que segmentos de veículos e cheque especial) entre as garantias de segurança para o segmento no País.
“Não queremos um crescimento de 40% ou 50%, porque isso não se sustenta ao longo do tempo. Mas precisamos preparar o mercado”, afirmou Lazari Junior.
Para ele, uma expansão de 15% na carteira de crédito imobiliário, ainda que menor do que o registrado em anos anteriores, é “sadia”.

Fonte: http://exame.abril.com.br/economia/noticias/abecip-preve-avanco-de-15-do-credito-imobiliario-no-ano