Pelo segundo mês consecutivo, melhora o desempenho de vendas de imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo

Abril foi o melhor mês do ano em termos de comercialização de imóveis novos da cidade de São Paulo, conforme apontam os resultados da Pesquisa do Mercado Imobiliário realizada pelo departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP (Sindicato da Habitação). No mês, foram vendidas 2.185 unidades residenciais, um aumento de 72,5% comparado às 1.267 unidades comercializadas em março e de 1,8% em relação aos 2.147 imóveis vendidos em abril de 2014.

A maioria dos consumidores que adquiriram imóveis em abril optou por unidades de 2 dormitórios. Do total comercializado no mês, essa tipologia representou 60%, com 1.311 unidades. O segmento de 1 dormitório teve participação de 23,8% (520 unidades) nas vendas, seguido por imóveis de 3 dormitórios, que responderam por 12,9% do mercado (281 unidades), e dos de 4 ou mais dormitórios, com 3,3% (73 unidades).

O indicador VSO (Vendas Sobre Oferta) mensal também apresentou melhora, demonstrando que 7,2% das unidades ofertadas foram comercializadas. Os imóveis com melhor desempenho foram os de 2 dormitórios, com 11,2%. O VSO de 12 meses registrou ligeira queda, passando de 41,5% no mês de março para 39,8% em abril.

Em termos monetários, a pesquisa apurou VGV (Valor Global de Vendas) de R$ 884,2 milhões, volume 30,8% superior ao de março e 37,2% inferior ao de abril de 2014. “O resultado pode ser reflexo do tíquete médio dos imóveis vendidos, que foi de R$ 405 mil para a cidade de São Paulo em abril, ante R$ 655 mil no mesmo mês do ano passado. Essa redução foi acentuada, ainda, pela comercialização dos imóveis na faixa de até R$ 350 mil, demonstrando que os incorporadores estão buscando adequar os produtos à faixa de renda na qual a demanda é maior”, avalia Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP.

Lançamentos

Segundo dados da Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio), o total de 3.023 unidades residenciais lançadas no município de São Paulo em abril representou alta de 291,1% em relação às 773 unidades de março e de 28,2% comparado às 2.358 unidades do mesmo mês de 2014.

Os imóveis de 2 dormitórios também se destacaram em termos de lançamentos, com 1.538 unidades e 50,9% do total. Já os apartamentos de 1 dormitório responderam por 31% do volume lançado (925 unidades), enquanto os de 3 dormitórios participaram com 14% (423 unidades) e os de 4 ou mais dormitórios ficaram com 4,5% (137 unidades).

A cidade de São Paulo encerrou o mês de abril com 28.021 unidades não vendidas em oferta, o que equivale a um estoque para 23 meses – considerando a média de 12 meses de vendas, que é de 1.230 unidades. A oferta corresponde a imóveis residenciais novos na planta, em construção e prontos, lançados entre maio de 2012 e abril de 2015 (últimos 36 meses).

Região Metropolitana de São Paulo

Trinta e nove municípios compõem a Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), sendo a capital paulista o principal deles. Por esta razão, a Pesquisa do Mercado Imobiliário do Secovi-SP analisa o município de São Paulo separadamente das demais cidades da região com mercado imobiliário ativo.

Com exceção da Capital, juntos, os demais municípios da RMSP totalizaram em abril a venda de 1.429 unidades, praticamente a mesma quantidade de março, quando foram comercializadas 1.428 unidades, e um aumento de 90,3% em relação a igual mês de 2014 (751 unidades).

As unidades que mais venderam nas 38 cidades da RMSP em abril também foram as de 2 dormitórios, com 61,6% do total (880 unidades), seguidas daquelas com 3 dormitórios (449 unidades e 31,4%), as de 1 dormitório (60 unidades e 4,2%), e as de 4 ou mais dormitórios (40 unidades e 2,8%).

O indicador VSO (Vendas Sobre Oferta) de 12 meses referente às outras cidades continuou maior que o da Capital, ficando em 51,1% no período.

Foram lançadas 1.351 unidades nas cidades do entorno da Capital, o que representou uma redução 20,3% frente ao mês de março e aumento de 36,9% comparado a abril do ano passado.

A oferta de imóveis nesses municípios apresentou estabilidade em relação ao mês anterior, com 16.269 unidades não vendidas em oferta. Em comparação com abril de 2014, houve evolução de 2,1%.

Considerações finais

O mercado imobiliário vem procurando se adequar à atual conjuntura econômica e à sequência de notícias negativas, como o aumento da taxa de juros e a restrição de crédito imobiliário pela Caixa.

Por outro lado, o ajuste fiscal está em aprovação no Congresso Nacional e existe uma percepção geral de que as medidas propostas pela equipe econômica, se sancionadas e implementadas, poderão melhorar as expectativas dos investidores em relação ao País.

Apesar de dois meses consecutivos de crescimento das vendas, ainda é cedo para se afirmar que o mercado imobiliário esteja se recuperando. “Porém, os resultados apontam que, apesar do cenário econômico difícil, há demanda e o ambiente é de oportunidade para quem deseja adquirir um imóvel”, pontua o presidente do Secovi-SP, Claudio Bernardes.

REVISÃO DA PROJEÇÃO DE VENDAS E LANÇAMENTOS PARA 2015

Os dados coletados pelo Secovi-SP no município de São Paulo e a conjuntura econômica até o mês de abril demonstram um cenário que, comparado ao mesmo período do ano passado, permitem atualizar as projeções para 2015:

VENDAS – Redução de 15% a 20% em relação ao ano de 2014, ou seja, um intervalo entre 17,3 mil a 18,4 mil unidades comercializadas no ano.

LANÇAMENTOS – Redução de 23% a 25% em relação ao ano de 2014, ou seja, um intervalo entre 25,5 mil a 26,2 mil unidades lançadas no ano.

http://www.secovi.com.br/pesquisa-mensal-do-mercado-imobiliario/